As rimas que ganharam as ruas de Barra Mansa

12661884_973954826018418_6129686413406763797_n

Centenas de jovens da cidade participam ativamente e se apresentam no evento. (Reprodução: Facebook)

Há aproximadamente um ano, nascia o projeto que, uma vez por mês, enche as ruas de Barra Mansa de muito som, rimas marcantes e renova as esperanças de uma juventude mais consciente. Um grupo de sete jovens organiza, desde abril de 2015, um evento que se impõe pela força da cultura do rap na região. Rômulo Thomas, Marcelo Emerick, Vitor Emerick, Arthur Santos, Thiago Ribeiro, Jessy James e Thiago Bueno tomaram a frente de um projeto que enriqueceu a cena cultural da cidade.

Rômulo Thomas, mais conhecido nos encontros como o mestre de cerimônia Thomaz Weed, conta que a oportunidade de poder trazer para sua cidade um evento que reunisse cultura, música e outras formas de expressão foi o que o motivou. “Eu fui convidado para ser mestre de cerimônia da Roda de Rima de Volta Redonda duas vezes, e as pessoas disseram ter gostado muito da animação. Logo, pensei: por quê não levar um evento bacana como esse para animar a minha cidade, que quase não tem momentos como esse?”

A 1ª edição da Roda ocorreu na Be Happy Tabacaria. Desde então, um time de organizadores foi formado para administrar todos os processos de realização do evento, desde a montagem de equipamentos, materiais e conteúdo até a divulgação. A intenção era revezar entre o estabelecimento e o espaço público, porém a tabacaria não obtinha o alvará de permissão para música ao vivo. Assim, a solução foi ganhar as ruas da cidade, tendo como palco principal a Praça da Liberdade, local onde o próprio nome faz jus à essência do movimento trazido pelo evento, que é apartidário e independente. A partir daí, as rodas de rima passaram a acontecer mensalmente.

Na região, de fato, o rap assume formas que vão além do entretenimento. Thomaz, que faz parte do coletivo Quilombo Moderno, ressalta a importância de projetos e eventos como esse nas comunidades, principalmente para crianças e jovens. Levar esse tipo de cultura, que geralmente é nova para a realidade dessas pessoas, é somar. Somar conhecimento, oportunidades e incentivo para descobertas. “O movimento tomou proporções muito maiores que imaginávamos, conquistou um público misto e incentivou a formação de grupos, a revelação de MCs, beatmakers… Parece que a cidade tinha pessoas com esse talento, mas cada um quieto no seu canto. O movimento uniu interesses”, comenta Thiago, e Marcelo acrescenta: “A roda de rima facilitou esse processo, por oferecer um espaço onde essas pessoas pudessem se apresentar, mostrar seus trabalhos num lugar que se sentissem à vontade e fossem reconhecidas por isso”.
Thomas também faz parte do Conselho Municipal de Cultura de BM, na área de cultura popular e urbana, tendo, assim, ainda mais força, voz e representatividade nesse cenário.

A organização do evento é totalmente independente de patrocínios ou apoios, e feita por meio de várias parcerias, contatos e amigos, que ajudam, cada um, com o que lhe é pertinente. O movimento atingiu uma visibilidade muito grande, evidenciando e trazendo destaque ao rap, em geral, principalmente da região. Com isso, pessoas que se interessam na cena independente da região se oferecem para divulgar, filmar e fotografar os encontros. É interessante perceber que assim, a ideologia do movimento vai à muitos outros lugares.
Na roda, é cedido espaço para quem quiser se apresentar em vários momentos, como no microfone aberto, quando o microfone fica livre para MCs rimarem, no estilo freestyle, poetas declamarem; no pocket show, um espaço para grupos apresentarem suas composições; com DJs convidados para discotecar; e nas batalha da rataria, – um tipo de batalha com regras (não pode conter conteúdo ofensivo ou preconceituoso) e batalhas do saber – que induzem o rapper a ter uma base histórica, cultural e de suas raízes, ensinando também que não é necessário ofender alguém para conseguir uma rima boa.

O movimento, mesmo ainda novo, mas de tamanha representatividade, se mantém vivo na cidade. Completando um ano em 1º de abril deste ano, a roda de rima de Barra Mansa chega a sua 15ª edição oficial. Em virtude da comemoração, na próxima sexta-feira, dia 01/04, às 19h, na Praça da Liberdade, será realizado o próximo encontro.
As atrações confirmadas são o grupo Nabrisa, o MC Jessy Rap e o Buero Rep, grupo composto pelos organizadores da roda de rima e que, no dia seguinte (02/04), fará a abertura do show do Racionais MCs. O evento é aberto ao público.

Mais informações sobre a 15ª Roda de Rima de Barra Mansa na página do evento no Facebook. Informações sobre o show do Racionais MC’s em Volta Redonda também estão disponíveis na página do evento.

 

GABI

Matéria por Gabrielle Helena

Anúncios
Nota | Esse post foi publicado em Notícias e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para As rimas que ganharam as ruas de Barra Mansa

  1. Zana disse:

    parabens gabrielle muito bem escrito o texto. o movimento ta forte e tava precisando de uma materia legal assim! muito bom

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s